(41) 3679.8100

HAC é credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar transplantes pediátricos

Instituição de caráter filantrópico é o terceiro hospital na Região Sul habilitado a transplantar pacientes de quatro meses a 16 anos

Referência internacional, o Serviço de Transplantes de Órgãos do Hospital Angelina Caron acaba de ser credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar transplantes em pacientes pediátricos. A instituição filantrópica se une ao Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba, e à Santa Casa de Porto Alegre como um dos três hospitais aptos a operar o procedimento de transplante infantil na Região Sul.

“Estamos habilitados em todas as modalidades de transplantes, em especial fígado e rim, desde crianças de quatro meses até adolescentes de 16 anos. Os pacientes com esse perfil já podem entrar na fila e aguardar a compatibilidade, enquanto fazem a preparação clínica necessária conosco no hospital”, explica o médico João Nicoluzzi, responsável pelo Serviço de Transplantes.

Carência nacional

Segundo Nicoluzzi, os transplantes pediátricos são uma carência nacional, agravada pela complexidade do procedimento conforme a idade do paciente. “Quanto mais velho, mais parecido o organismo é com o dos adultos. Os pacientes muito pequenos precisam atingir o limite de dez quilos para o transplante. Os casos mais comuns são intrafamiliares, quando pais doam um rim ou parte do fígado para seus filhos. Doadores adultos de fígado também podem salvar duas vidas infantis, em geral”, detalha o cirurgião, informando serem poucos os casos de doação de órgãos de criança para criança.

À espera de um pulmão

Outro credenciamento importante do Hospital Angelina Caron, obtido já há dois anos, é o de transplante de pulmão: desde então, foram vários os processos para que o hospital e toda a equipe estivessem aptos a realizar o procedimento, além da preparação dos pacientes para a cirurgia, que será a primeira do tipo no Paraná.

“Atualmente, temos dez pacientes aguardando o órgão compatível. O processo é complexo e tem algumas particularidades fundamentais para a recuperação pós-cirúrgica. Não é necessária somente a compatibilidade sanguínea: os pulmões doados não podem ter sinais de infecção ou indícios de lesões por trauma. Além disso, devem ser compatíveis em tamanho com o receptor. São detalhes fundamentais que apontam para a importância da conscientização em prol da doação de órgãos no Brasil”, pontua o médico Frederico Barth, responsável técnico do Serviço de Transplante Pulmonar do HAC.

Inovação constante

Fundado há quase 20 anos, o Serviço de Transplantes do Hospital Angelina Caron está sempre em busca de inovações internacionais para oferecer aos pacientes o que há de mais moderno. Após sua fundação no ano 2000 pelos médicos João Nicoluzzi, Mauro Monteiro e Carlos Marmanillo, o serviço realizou em janeiro de 2001 o primeiro transplante de pâncreas do Paraná, um dos procedimentos mais complexos na área.

Em 2011, essa conquista foi seguida por outra: a primeira realização bem-sucedida, em todo o continente americano, de um transplante de fígado adulto com dois doadores vivos. O HAC é hoje um dos principais centros do país, com vasta experiência no transplante renal, pancreático e hepático, com uma média de 300 transplantes a cada ano.