(41) 3679.8100

Você sabe quando procurar o Pronto-Socorro?

Parece simples, mas a busca por atendimento médico ainda gera confusão.
Especialista do Hospital Angelina Caron esclarece o que é urgência,
emergência e as classificações do Protocolo de Manchester

Conhecido como Protocolo de Manchester, o acolhimento de pacientes baseado na classificação de risco de vida é utilizado em hospitais de todo o mundo para garantir o melhor atendimento a quem precisa. Desde sua criação, o pronto-socorro do Hospital Angelina Caron (HAC) segue esse protocolo internacional, além das recomendações da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Além disso, para tornar os atendimentos mais rápidos e eficientes para os principais casos de urgência e emergência, o HAC inaugurou no início do ano a Unidade de Dor Torácica (UDT), que agiliza o atendimento aos pacientes com doenças cardíacas e respiratórias, em especial atendimentos imediatos de pessoas com infarto.

Chefe do Pronto Socorro do Hospital Angelina Caron, a médica Mariana Singer destaca a importância da triagem na chegada do PS, que leva em conta os sintomas do paciente, o tempo de início desses sintomas e os sinais vitais (pressão arterial e frequência cardíaca, entre outros), a fim de classificar a urgência e priorizar os atendimentos.

“Há estudos mundiais mostrando que cerca de 60% dos atendimentos realizados em prontos-socorros, em geral, não são de urgência e emergência, o que prejudica significativamente a agilidade no atendimento dos pacientes graves ou potencialmente graves”, enfatiza.

Na entrevista a seguir, a especialista esclarece as principais dúvidas sobre quando procurar um pronto-socorro:

Quais as orientações para que o paciente procure um pronto-socorro?

​O paciente deve buscar um pronto-socorro quando em quadros agudos, isto é, queixas de início recente. ​Os casos atendidos no PS são aqueles que colocam o paciente em risco de vida: as urgências e emergências, como infarto, AVC, apendicite aguda, acidentes de trânsito, baleados, entre outros.

Quando é preciso procurar uma unidade de saúde e não o PS do hospital?

Dores crônicas, solicitações de exames, doenças de longa data e investigações devem buscar atendimento nas unidades municipais de saúde – Unidades Básicas de Saúde (UBSs) ou Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

É preciso lembrar que o ambiente de pronto-socorro é um local para atendimentos dinâmicos e rápidos, com o objetivo de tratar o paciente e evitar complicações mais graves. A superlotação por doenças sem caráter de emergência sobrecarrega o sistema e atrasa o atendimento daqueles que realmente precisam de forma imediata.

Além disso, o ambiente hospitalar aumenta o risco de transmissão e contaminação por doenças, sendo perigoso para quem busca o pronto-socorro sem necessidade e também para os doentes internados.

 O Pronto-Socorro do HAC segue protocolos internacionais de atendimento. Em resumo, como eles funcionam?

No nosso pronto-socorro seguimos o Protocolo de Manchester. Ele classifica o paciente em cinco cores diferentes conforme a gravidade e determina um tempo limite para que o atendimento aconteça. A classificação é definida na triagem do paciente assim que ele chega ao hospital. Essa avaliação é feita por uma enfermeira treinada para aplicar o protocolo.

As cores são:

– Vermelho (emergência): neste caso o paciente necessita de atendimento imediato.

– Laranja (muito urgente): o paciente necessita de atendimento o mais rápido possível.

– Amarelo (urgente): neste caso o paciente necessita de avaliação, o caso não é considerado emergência, e o paciente já tem condições de aguardar o atendimento.

– Verde (pouco urgente): Casos pouco graves, que podem inclusive ser tratados em ambulatórios.

– Azul (não urgente): Casos de baixa complexidade, o paciente deve ser tratado em ambulatórios.

Como a Unidade de Dor Torácica do HAC tem auxiliado nas situações cardiorrespiratórias mais graves?

A Unidade de Dor Torácica (UDT) foi um grande avanço na qualidade e agilidade dos atendimentos de pacientes com infarto no pronto-socorro do Hospital Angelina Caron. O paciente é prontamente identificado na triagem como paciente do “Protocolo de dor torácica” e atendido por um cardiologista que vai definir como o paciente vai ser tratado.

Nos casos de infarto o paciente fica internado nessa unidade para ser monitorado 24 horas. A UDT dispõe de serviço de hemodinâmica também 24 horas para realizar os cateterismos e angioplastias de emergência desses pacientes. Quanto mais rápido é o atendimento do paciente cardiológico, melhor é o resultado do tratamento e sua recuperação.

Quais são os diferenciais da gestão do PS feita pelo HAC?

​Nossas equipes de gestão e assistenciais estão sempre reunidas para discussão de protocolos e melhorias do pronto-socorro. No último ano, através de um projeto realizado com recursos de renúncia fiscal captados pelo HAC, reestruturamos todo o Pronto Socorro, desde a parte física até os equipamentos de última geração, que agilizaram e melhoraram o atendimento dos nossos pacientes.

Sobre o Hospital Angelina Caron

O Hospital Angelina Caron está localizado na cidade de Campina Grande do Sul, na Grande Curitiba (PR). De caráter eminentemente social, o local é um centro médico-hospitalar de referência no Sul do País e um dos maiores parceiros do Sistema Único de Saúde (SUS) no Paraná. Realiza, anualmente, 2,07 milhões de procedimentos em pacientes de todo o país. Atua em todas as vertentes da medicina e é um centro tradicional de fomento ao ensino e à pesquisa.  O setor de transplantes é um dos mais destacados, reconhecido internacionalmente, com cerca de 300 procedimentos por ano nas áreas hepática, renal, reno-pancreática, cardíaca e de tecidos corneanos.